FBN I Perfil – Ana Lúcia Merege quer conquistar leitores para o gênero ‘fantástico’

SAMSUNG CSC

Bibliotecária e escritora, a carioca conjuga suas duas carreiras, pesquisando e escrevendo sobre História, Mitologia e temas correlatos, e atualmente publica uma série de fantasia épica para jovens, iniciada com o romance “O castelo das águias”.

Ana Lúcia Merege, 46 anos, é mestre em Ciência da Informação, pelo IBICT/UFRJ-ECO e formada em Biblioteconomia pela UNIRIO. Desde 1996, trabalha no Setor de Manuscritos da Biblioteca Nacional, onde lida com material original, fontes primárias, e desempenha funções que vão da identificação de documentos até a organização de exposições.

A experiência com manuscritos – especialmente os medievais, pelos quais é apaixonada – e as reflexões que vieram daí foram o ponto de partida para o mestrado, em que Ana discorreu acerca da sobrevivência do livro impresso. O curso, concluído em 2000, também despertou seu interesse pela mediação da leitura. Suas atividades nesses vários campos foram convergindo cada vez mais e resultaram nas suas duas primeiras publicações: o ensaio “Os contos de fadas: origem, história e permanência no mundo moderno” e o romance juvenil “O caçador”. Os títulos independentes encontraram editoras em 2009, e logo isso aconteceria com outros romances e contos, quase todos no gênero fantástico.

Atualmente, Ana publica pela Editora Draco, sediada em São Paulo, uma série de fantasia épica para jovens, iniciada com o romance “O castelo das águias”. Sua heroína é nada menos que uma mestra de sagas – contadora de histórias e professora de Literatura. Ela conta que um de seus maiores objetivos é conquistar leitores para o gênero fantástico, e para isso trabalha em várias frentes, organizando coletâneas, dando cursos, participando de eventos e, sempre que possível, visitando escolas e universidades para falar sobre o tema.

“Muitos jovens gostam de Harry Potter, Percy Jackson e O senhor dos anéis, mas não fazem ideia do imaginário riquíssimo que inspirou seus autores. Acredito que a leitura de obras de fantasia e ficção científica pode ser a porta de entrada para um universo muito maior, cheio de referências e de conexões, que os ajudem a refletir, a questionar e a ampliar sua bagagem cultural. E, se posso me permitir sonhar alto, gostaria que conhecessem também os autores brasileiros do gênero. Não apenas os poucos que ganham projeção na mídia – sem desmerecê-los -, mas os que, de forma independente ou em pequenas e corajosas editoras, batalham sem cessar por mais visibilidade no cenário da Literatura nacional”, diz Ana Lúcia.

A escritora e bibliotecária deixa uma mensagem aos leitores: “valorizem a Educação, a Cultura e seus profissionais, porque matamos um leão por dia para manter abertas as portas que levam ao futuro”.

Para conhecer o blog da série “O castelo das águias”, clique aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: