Rio 450 anos – Bairros do Rio – Vila Isabel

Jardins de Vila Isabel - Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil - 1922

Jardins de Vila Isabel – Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil – 1922

Bairro projetado e concebido pelo Barão de Drummond, Vila Isabel surge no cenário do Rio de Janeiro como um dos primeiros bairros projetados da história da cidade. Com origem nas terras da Imperial Quinta do Macaco, conhecida como Fazenda do Macaco, de propriedade da Imperatriz Dona Amélia Augusta Eugênia Napoleão de Beaucharnais, segunda esposa do Imperador D. Pedro I e neta de Josefina de Beauharnais, primeira esposa de Napoleão Bonaparte, a fazenda tinha como limites o rio Joana, o caminho de Cabuçu (Hoje Rua Barão do Bom Retiro) e pela serra do Engenho Novo.

 

Planta das ruas de Vila Isabel de 17/01/1872 Fonte: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro/ livro: “Vila Isabel de rua em rua” por Lili Rose, ed. Rio, publicado em 2005

Planta das ruas de Vila Isabel de 17/01/1872 Fonte: Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro/ livro: “Vila Isabel de rua em rua” por Lili Rose, ed. Rio, publicado em 2005

 

Com a partida do casal imperial, a então Fazenda do Macaco acabou adquirida por João Batista Vianna Drummond, que era um hábil negociante e um empreendedor muito à frente de seu tempo. Em 1873 visando o projeto de colonização da região, Drummond criou a Companhia Arquitetônica, que tinha como diretor, o Barão de São Francisco, o médico Visconde da Silva, o vereador Bezerra de Menezes e Temistocles Petrocochino. O projeto, de responsabilidade do engenheiro Bittencourt da Silva, previa inicialmente a abertura de 13 ruas que partiriam do boulevard.

 

Praça 7 de Março - Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil - 1922

Praça 7 de Março – Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil – 1922

 

Os nomes do bairro e de sua principal rua, foram escolhidos pelos idealizadores tendo em vista uma homenagem a data da assinatura da Lei do Ventre Livre (28/09/1871), enquanto aos principais logradouros, batizaram com nomes de personagens da história considerados abolicionistas notáveis.

A Companhia Arquitetônica, além de ser a responsável pela comercialização de lotes e edificações, também concebeu a principal via do bairro como os boulevards de Paris. Para a garantir o sucesso do empreendimento Drummond criou a Companhia de Bondes Ferro Carril de Vila Isabel, doou terrenos para escolas e igrejas além de ter construído o primeiro Jardim zoológico do País.

 

Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil - 1922

Álbum da Inspetoria de Mattas, Jardins, Caça e Pesca da Prefeitura do Distrito Federal – Exposição nacional do Centenário da Independência do Brasil – 1922

 

A Região ganhou novo impulso em 1885, com a inauguração da Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial, localizada em Aldeia Campista, entre os bairros de Vila Isabel e do Andaraí.

 

reportagem do jornal “O Careta” sobre a visita do Presidente da República à Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial em 18/06/1910

Reportagem do jornal “O Careta” sobre a visita do Presidente da República à Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial em 18/06/1910

Uma curiosidade histórica narrada no livro “Vila Isabel de rua em rua” por Lili Rose, ed. Rio, publicado em 2005:

“145 anos após a expulsão de Nicolau Durand de Villegangnon, a cidade do Rio de Janeiro sofreu mais uma vez com os franceses. Em 1710, o corsário Jean Francois Duclerc, comandante de uma esquadra de seis navios, tentou apoderar-se da cidade. Não conseguindo entrar pela Baia de Guanabara, navegou ao longo do litoral até Guaratiba. Com mil homens, caminhou pelas matas em direção ao centro da cidade. Atravessou Jacarepaguá, Engenho Novo, Vila Isabel (Fazenda do Macaco), parou na Igreja São Francisco Xavier, na Tijuca (Engenho Velho), chegando finalmente em Santa Teresa. Durante esse trajeto, os franceses não encontraram qualquer resistência, pois eram poucos os moradores nessas regiões. Se assim foi, podemos imaginar que o Caminho do Macaco, atual Boulevard 28 de setembro, serviu de passagem aos piratas franceses…”

 

Alguns personagens ilustres da história de Vila Isabel:

Joseph Maxwell: Nascido em Gibraltar, em 1772 e falecido em 1854, foi proprietário de terras e homem de negócios, amigo do imperador D. Pedro II.

Manoel Dias de Abreu: Médico paulista nascido em 1892, em 1935 assumiu a chefia do Serviço de Radiologia do Hospital Jesus.

Hipólito da Costa Pereira Furtado de Mendonça: Patriarca da Imprensa Nacional, bacharel em leis e filosofia.

Gonzaga de Souza Bastos: Sogro de Joseph Maxwell, foi comerciante local, responsável pela construções de diversos estabelecimentos em ruas de Via Isabel e região.

Antônio Felipe Camarão (Poti): Era índio potiguar, foi considerado herói nacional por lutar ao lado dos portugueses contra os holandeses.

Sylvio Pereira de Sá: Morador do bairro, participava ativamente da vida comunitária, foi um dos idealizadores do Lions Clube de Vila Isabel, exerceu a presidência da Associação Atlética Vila Isabel. Era casado com Zuleika Jambo da Costa Sá e pai do compositor e cantor Luiz Carlos Pereira de Sá, da dupla Sá e Guarabira.

Teodoro Machado Freire Pereira da Silva: Magistrado e político em Pernambuco até 1861, transferiu-se para o Rio de janeiro, onde foi chefe de polícia. Em 1871 foi ministro da agricultura no gabinete do Visconde do Rio Branco.

Antônio Paulino Limpo de Abreu (Visconde do Abaeté): Foi magistrado e Ministro do Supremo Tribunal de Justiça em 1846, presidente da província de Minas Gerais (1883), presidente da Câmara, senador e Ministro de Estado. Teve papel importante na assinatura do tratado comercial com a Argentina em 1856 e recebeu diversas comendas e honrarias.

Luiz Pedreira do Couto Ferraz: Barão e Visconde do Bom Retiro, foi doutor em direito e professor da Faculdade de São Paulo. Entre outras coisas, foi inspetor–geral da Caixa de Amortização, presidente do Imperial Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, responsável pelo reflorestamento da área que hoje compõem a floresta da tijuca.

João Maurício Wandeley: Barão de Cotegipe, bacharel em direito, discordava dos rumos da política abolicionista da época, foi deputado, senador e ministro do Império. Foi provedor da Santa casa de Misericórdia e fundador do Instituto Pasteur, Presidiu e liderou diversas instituições importantes de sua época; foi dignitário da Ordem do Cruzeiro, comendador da Ordem da Rosa da Grã-Cruz da Vila Viçosa de Portugal, da Real Ordem de Carlos III, entre outras honrarias.

Jose Mello Carvalho Muniz Freire: Bacharel em Direito, deputado, presidente da Câmara Municipal de Vitória, governador do espírito Santo e senador. Trabalhou também como jornalista e escreveu diversos trabalhos literários e jurídicos.

Francisco Otaviano de Almeida Rosa (Conselheiro Otaviano): Era escritor, jornalista e jurista. Foi Ministro plenipotenciário do Brasil durante a guerra do Paraguai e patrono da cadeira nº13 da Academia Brasileira de Letras.

Bernardo se Souza Franco: Abolicionista liberal, foi nomeado por D. Pedro II presidente da província do Rio de Janeiro em 1864.

 

Localize Vila Isabel nos mapas históricos usando a ferramenta de zoom:

http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_cartografia/cart534317.htm

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_cartografia/cart309956/cart309956.htm

Consulte as matérias publicadas nos jornais do Rio de Janeiro do início do século XX sobre Vila Isabel:

http://memoria.bn.br/DocReader/docmulti.aspx?bib=%5Bcache%5D202420.4414898.DocLstX&pasta=ano%20191&pesq=Vila%20Isabel

Leia a reportagem do jornal “O Careta” sobre a visita do Presidente da República à Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial em 18/06/1910:

http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=083712&PagFis=2798

Leia mais sobre a Companhia de Fiação e Tecidos Confiança Industrial nos periódicos da hemeroteca Digital Brasileira:

http://memoria.bn.br/DocReader/docmulti.aspx?bib=%5Bcache%5D202420.4414898.DocLstX&pasta=ano%20191&pesq=Companhia%20de%20Fia%C3%A7%C3%A3o%20e%20Tecidos%20Confian%C3%A7a%20Industrial

Saiba mais sobre os Bairros do Rio de Janeiro acessando a BNDigital ou visitando a Seção de Referência da Biblioteca Nacional.

Anúncios

Uma resposta to “Rio 450 anos – Bairros do Rio – Vila Isabel”

  1. Lanchinho da Meia-Noite Says:

    Republicou isso em Lanchinho da Meia-Noite.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: