FBN I Bairros do Rio – Gamboa e o Cemitério Inglez

 

O bairro da Gamboa, na zona portuária da cidade do Rio de Janeiro, foi criado oficialmente por Decreto  do prefeito Marcos Tamoyo em em 1981.  A região, originalmente pertencia ao bairro da Saúde e era considerado um lugar frequentado pela aristocracia, que nele mantinha suas chácaras e palacetes. Dentre as personalidades conhecidas da época que residiam na Gamboa figurava o futuro Visconde de Mauá.

A proximidade com o mar tornou a Gamboa um dos locais favoritos dos grandes negociantes ingleses que ali instalaram uma das mais antigas necrópoles do Brasil, o “Cemitério dos Ingleses”. No final do século XIX, quando a aristocracia migrou para os bairros do Catete, Glória, Flamengo, Botafogo e Laranjeiras, a Gamboa foi perdendo seu status.

O acervo da Divisão de Iconografia da Biblioteca Nacional, oferece aos leitores uma das obras mais interessantes que retratam a Gamboa. O livro “O Brasil pittoresco, histórico e monumental”, de Alfred Martinet, escrito em 1847 e dedicado ao Imperador D. Pedro II, descortina a “alma do lugar”, na descrição do cemitério inglês feita pelo autor a partir da página 9:

“Horas ha no dia, assim como momentos na vida do homem, em que a mente do mais folgasão e jovial, toldando-se de negras côres, ensombra em lugubre tristeza o existir mais radioso de fulgurantes explendores.

Aquellas horas são, quando apoz que o Sol descamba do seu zenith para se occaso, as em que nevoscento crepusculo vem annunciar o fenecer do dia, ou o abysmar-se do astro que aviventa nas trevas de noite caliginosa.

Aquelle momentos, esse em que um arrepio de morte afferra de quem nasceu para morrer, e de arteria em arteria, nervo por nervo, o rebate lhe transmite de um fim próximo, ou pelo menos de um fim inevitável.

Horas e momentos, por conseguinte, nuncios sempre de uma agonia, de um transe externo.

Era em uma dessas horas, e também quasi que em um daquelles momentos, que eu vagarosamente subia a encosta da ladeira da Gambôa, que vai findar no Cemitério Inglez.

Tudo conspirava para melancolisar-me; e ainda mesmo antes de meus pés pousarem sobre terra de sepulchros, comecei de sentir, como se pesada mão de chumbo o coração me comprimisse e me extortegasse….”

 

Acesse e baixe a versão completa da obra em:

http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_iconografia/icon211917/icon211917.pdf

#FBNnamidia

#fundacaobibliotecanacional

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: