FBN I Homenagem – 8 de março: Dia Internacional da Mulher

icon1_2_8i13

Comemorado todos os anos, o Dia internacional da Mulher celebra as suas principais conquistas. A Biblioteca Nacional presta sua homenagem divulgando  a exposição virtual “Brasil Feminino”.

A exposição teve curadoria de Marcus Venicio e Luciano Figueiredo e foi digitalizada, estando disponível na página da BNDigital.

Até o início do século XIX – quando em alguns países europeus os costumes se transformavam, e as mulheres já participavam, embora como coadjuvantes, dos grandes acontecimentos políticos –, quem chegasse ao Brasil podia ter a enganosa sensação de estar numa terra sem mulheres.

Apenas as escravas, vistas também como meios de ganho de seus senhores, é que frequentavam, em suas lides diárias, o espaço público. Os registros de artistas, como Carlos Julião e Debret, e da maioria dos viajantes ao Brasil, testemunham isto. Às senhoras brancas cabia o lugar consentido por trás das gelosias, de onde lhes era permitido observar, à sombra e pelas frestas, o mundo solar dos homens. Se saíam às ruas, conduzidas por seus escravos, era em cadeirinhas ou serpentinas protegidas por cortinas, e sempre cobertas de mantos, ao estilo moçárabe – um modo de ocultar os detalhes de sua anatomia. E quando passeavam com os maridos, seu lugar era atrás, e não ao lado deles.

Por três séculos, a mulher da Colônia esteve condenada ao silêncio. Se uma ou outra se sobressaiu nesse período, foi em função do poder ou prestígio de seus homens. A lendária Chica da Silva entrou para a história por ter seduzido um rico contratador português.

icon326491

Bárbara Heliodora e Maria Dorotéa Joaquina de Seixas, a Marília de Dirceu, são conhecidas como musas da ação libertadora de poetas inconfidentes. Houve mulheres poderosas na Colônia, como Ana Jacinta de São José, a Dona Beja, cuja história de paixão, rapto, prostituição e assassinato abalou a cidade mineira de Araxá (MG), Benta Pereira, fazendeira em Campos (RJ), que, aos 72 anos, pegou em armas para garantir os limites de suas terras, ou Maria da Cruz, líder de uma rebelião no sertão de Minas Gerais contra o governo da capitania. Ao lado delas, uma legião de anônimas assumiu, muitas vezes com enorme sacrifício, a chefia de lares abandonados pelos maridos.Os costumes só começariam a mudar no Brasil com a chegada da Corte portuguesa, em 1808, e como efeito das duas grandes revoluções iniciadas no século XVIII: a revolução moral e espiritual da humanidade provocada pelo Iluminismo e a Revolução Industrial.

Conheça a exposição virtual Brasil Feminino:  http://bndigital.bn.br/exposicoes/brasil-feminino/

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: