FBN I Homenagem – 12 de abril de 1863, nasce Raul Pompeia

Foto: Acervo ABL

Foto: Acervo ABL

Raul D’Ávila Pompeia nasceu em Angra dos Reis, e faleceu no Rio de Janeiro, em 25 de dezembro de 1895. Patrono da cadeira nº 33 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do fundador Domício da Gama.

Filho de Antônio de Ávila Pompeia e de Rosa Teixeira Pompeia, estudou no Colégio Abílio, dirigido pelo educador Abílio César Borges, o Barão de Macaúbas, logo destacou-se como aluno aplicado, com o gosto dos estudos e leituras, desenhista e caricaturista. Redigia e ilustrava do próprio punho o jornalzinho O Archote.

Em 1879, transferiu-se para o Colégio Pedro II, para fazer os preparatórios, e onde se projetou como orador e publicou o seu primeiro livro, Uma tragédia no Amazonas (1880).

Na década de 1880 começou o curso de Direito em São Paulo, engajou-se nas campanhas abolicionista e republicana. Escreveu em jornais de São Paulo e do Rio de Janeiro, frequentemente sob o pseudônimo Rapp, um dentre os muitos que depois adotaria.

Em São Paulo escreveu para o Jornal do Comércio, com destaque para “as Canções sem metro”, poemas em prosa.  Também publicou, em folhetins da Gazeta de Notícias, a novela antimonárquica As joias da Coroa.

A partir de 1885, dedicou-se ao jornalismo, escrevendo crônicas, folhetins, artigos, contos e participando da vida boêmia das rodas intelectuais. Escreveu O Ateneu, “crônica de saudades”, romance de cunho autobiográfico, que conta o drama de um menino é colocado num internato da época.

Em 1889, colaborou em A Rua, de Pardal Mallet, e no Jornal do Comércio.  Após a proclamação da República, foi nomeado professor de mitologia da Escola de Belas Artes e, logo a seguir, diretor da Biblioteca Nacional onde esteve por apenas um ano, de 1894 até 1895.

Suas obras:

Uma tragédia no Amazonas. Rio de Janeiro: Tipografia Cosmopolita, 1880.
As joias da Coroa. Rio de Janeiro: Gazeta de Notícias, março-maio 1882.
O Ateneu. Rio de Janeiro: Tipografia da Gazeta de Notícias, 1888.
O Ateneu. 2.ed, revista e ilustrada pelo autor. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1905.
Canções sem metro. Rio de Janeiro: Tip. Aldina, 1900.
Festas nacionais, de Rodrigo Octavio. (prefácio) Rio de Janeiro: F. Briguiet, 1893.
Obras. Org. Afrânio Coutinho. Vols. I a IX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira / OLAC, 1981-1983. Vol. X. Rio de Janeiro: Prefeitura Municipal de Angra dos Reis / OLAC, 1991.

(Fonte:ABL)

Leia “O Ateneu” em versão digitada:http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/oateneu.pdf

Conheça mais sobre a vida e a obra de Raul Pompeia na BNDigital: http://bndigital.bn.br/

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: