Coleção Percival Farquhar

A Coleção Percival Farquhar, custodiada na Divisões de Manuscrito da Fundação Biblioteca Nacional, é composta por 1610 documentos manuscritos, fotografias, plantas, mapas, que cobrem suas atividades empresariais e vida pessoal na primeira metade do século XX.

Farquhar (1864-1953) nasceu na Pensilvânia, nos Estados Unidos, e formou-se engenheiro na Universidade de Yale. Lançou-se no mercado latino-americano, investindo em segmentos empresariais como energia elétrica, bondes e construção de portos e ferrovias. No Brasil, foi pioneiro na construção de linhas férreas e de siderurgias, otimizando o processo de extração de minério de ferro, e ligando a produção siderúrgica ao litoral com vistas à exportação. Entre seus empreendimentos, destacamos a Brazil Railway Company, Cia. Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, Itabira Iron Ore Co., Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia e a Aços Especiais Itabira. Por sua atuação ligada aos investidores e ao mercado internacional, suscitou resistências nacionalistas que marcaram sua trajetória no país.

 

foot

Percival e Cathya Farquhar na inauguração dos altos-fornos da Companhia Aços Especiais Itabira (ACESITA). 1 fotografia: cópia em gelatina e prata, p&b; Timóteo (MG), 1950. Localização: ARQ. 1,4,1 (8)

 

O arquivo do engenheiro norte-americano Percival Farquhar (1864-1953) foi doado à Fundação Biblioteca Nacional em dois momentos: uma primeira remessa em 1953, por seu filho, Donald Farquhar, e um complemento posterior, em 1965, por seu biógrafo, Charles A. Gauld.

O acervo é composto de documentos técnico-administrativos referentes aos seus empreendimentos no Brasil, com atuação maciça nas áreas ferroviária, portuária e siderúrgica, e de documentos pessoais – em que prevalecem as cartas trocadas entre o empresário e os filhos, George, Gordon e Donald, além do irmão, Francis Farquhar. Além dos documentos textuais, há também documentos fotográficos, que retratam aspectos de um Brasil em vias de “modernização”, desenhos técnicos e documentos cartográficos. A documentação está dividida em doze séries, sendo elas: Correspondências, Brazil Railway Company, Itabira Iron Ore Company, Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, Estrada de Ferro Vitória a Minas, Companhia Vale do Rio Doce, Companhia Docas do Rio de Janeiro, Companhia Brasileira de Mineração e Siderurgia, Companhia Itabira de Mineração, Companhia Aços Especiais Itabira, Recortes e Documentos Fotográficos.

O processamento técnico do acervo completo acabou de ser concluído e todas as informações estão disponíveis na base de dados SophiA (http://acervo.bn.br/sophia_web/index.html) , podendo ser pesquisado por níveis de descrição ou pontos de acesso. Embora a documentação não seja de todo inédita, muitos itens ainda não foram trabalhados por pesquisadores e são de alta relevância ao estudo do processo de industrialização brasileira.

O acervo de Percival Farquhar traz importantes e inéditas contribuições para a compreensão do desenvolvimento industrial do Brasil e dá a dimensão pessoal desta história. Como exemplo desses documentos temos:

 

carta

Correspondências entre Percival Farquhar e seus filhos, Donald Farquhar e George Farquhar, sobre notícias pessoais, política internacional e suas empresas. 48 doc. (74 p.). 4 nov. 1935 a 28 fev. 1943. Localização: 27,01,009 nº001

 

 

perfil melhor

C. E. F. Victoria a Minas: perfil longitudinal da linha. [1932?]. Localização: I-33,06,008

 

Uma resposta to “Coleção Percival Farquhar”

  1. Lanchinho da Meia-Noite Says:

    Republicou isso em Lanchinho da Meia-Noite.

Deixe uma resposta para Lanchinho da Meia-Noite Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: