Posts Tagged ‘Divisão de Iconografia’

FBN | Documento da semana – 20 de março de 1953: morre o Escritor Graciliano Ramos

março 20, 2017

Graciliano Ramos

Político, jornalista e escritor, em sua obra se destacam VIDAS SECAS e MEMÓRIAS DO CÁRCERE. A BNDigital traz o catálogo de uma exposição em sua homenagem.

O Documento é o catálogo da exposição “Graciliano Ramos: 1892-1953”, realizada pela Biblioteca Nacional em 20/5/63 incluindo, além de obras de seu acervo, coleções particulares.

FBN I Homenagem – 25 de janeiro, aniversário da Cidade de São Paulo

janeiro 25, 2017

Em 1553, os padres jesuítas José de Anchieta e Manoel da Nóbrega subiram a Serra do Mar a fim de buscar um local seguro para se instalar e catequizar os índios. Ao atingirem o planalto de Piratininga, encontraram o ponto ideal entre os rios Tamanduateí e Anhangabaú, construindo, assim, um colégio no local. Finalizada a obra, celebraram uma missa em 25 de janeiro de 1554, dia que ficou conhecido como a fundação da cidade de São Paulo.

Em homenagem aos 463 anos da cidade de São Paulo, a Fundação Biblioteca Nacional disponibiliza para seus leitores e internautas algumas fotografias históricas pertencentes do acervo da Divisão de Iconografia.

 

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Avenida Paulista- 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Avenida Paulista- 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967411.jpg

 

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Escola Normal inaugurada em 1894 e Praça da República- 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Escola Normal inaugurada em 1894 e Praça da República- 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967417.jpg

Renouleau, Jean Georges, 1845-1909 - Título: Faculdade de Direito de São Paulo - São Paulo, SP : Casa Jules Martim, [1880?]

Renouleau, Jean Georges, 1845-1909 – Título: Faculdade de Direito de São Paulo – São Paulo, SP : Casa Jules Martim, [1880?]

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon325095/icon325095.jpg

 

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Interior do Museu do Ipiranga- 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Interior do Museu do Ipiranga- 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967426.jpg

 

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Palácio do governo - 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Palácio do governo – 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967419.jpg

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Rua Direita - 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Rua Direita – 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967422.jpg

 

Manuel, F. (Frédéric) - Título: Rua Quinze de Novembro - 1906

Manuel, F. (Frédéric) – Título: Rua Quinze de Novembro – 1906

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon658729_967401_429/icon967423.jpg

Veja também o Álbum “Lembrança de São Paulo”, com fotos de Gaensly, Guilherme, (1902?): http://bit.ly/223PKqm

Pesquise mais sobre a cidade de São Paulo na BNDigital:  http://bndigital.bn.br/acervodigital

#FBNnamidia
#fundacaobibliotecanacional
#bibliotecanacional
#SaoPaulo #463anos #SP

FBN | Série Documentos Literários – Desenhos de Raul Pompeia para “O Ateneu”

outubro 28, 2016
atheneu
Na Semana do Livro e da Biblioteca, a Série Documentos Literários apresenta os desenhos de Raul Pompeia — que esteve à frente da Biblioteca Nacional por um curto espaço de tempo – feitos para ilustrar “O Ateneu”, seu mais famoso romance.

Raul Pompeia nasceu em 12 de abril de 1863, em Jacuecanga, município de Angra dos Reis (RJ). Seu pai, magistrado, era tido como severo e carrancudo. Aos onze anos, o futuro escritor foi matriculado num internato, o Colégio Abílio, do qual saiu em 1879 para estudar no Colégio Pedro II. Ainda como estudante, publicou seu primeiro romance, “Uma Tragédia no Amazonas”.

Terminados os estudos, Raul Pompeia foi para São Paulo, onde se matriculou na Faculdade de Direito. Os professores logo passaram a vê-lo com reservas, devido ao seu envolvimento com Luís Gama, a causa abolicionista e o movimento republicano. Em companhia de outros estudantes, como Raimundo Correia e Luís Murat, fundou várias gazetas, embora todas tenham tido poucos números. Em 1883, publicou novo romance, “As Joias da Coroa”. Dois anos depois, transferiu-se para a Faculdade de Direito do Recife a fim de completar o curso, regressando em seguida para o Rio de Janeiro, onde começou a escrever para vários jornais.
Como muitos romances naquela época, “O Ateneu” foi publicado de forma seriada num desses periódicos, a “Gazeta de Notícias”, entre janeiro e março de 1888. Após algumas modificações, ganhou uma primeira edição em livro, publicada pela própria “Gazeta”. Raul Pompeia continuou a escrever, mas sua atenção se voltava principalmente para a política e a vida pública. Em 1894, foi nomeado diretor da Biblioteca Nacional, cargo do qual seria demitido no ano seguinte pela mesma razão que o fizera romper várias amizades: seu apoio ao governo de Floriano Peixoto. O acúmulo de pressões o levou ao suicídio, na casa onde vivia com sua mãe, no dia 25 de dezembro de 1895.
“O Ateneu” foi bem recebido pela crítica desde o lançamento, havendo quem comparasse seu autor a Machado de Assis e aos estrangeiros Balzac, Zola e Flaubert. O historiador Capistrano de Abreu chegou a afirmar que se tratava do “livro mais forte escrito no Brasil até então”. De fato, a obra, um romance de características realistas e naturalistas, inova tanto na escrita quanto no tratamento que dá a questões como a homossexualidade, a angústia da solidão e do isolamento, e as distorções do sistema educacional. É, também, um romance de formação, que acompanha o amadurecimento e as reflexões do personagem “Sérgio”, possivelmente um alter ego de Raul Pompeia, durante sua passagem pelo internato “Ateneu”.
Os direitos do romance foram comprados pela Editora Alves & Cia., que, entretanto, só o publicaria em 1905, acompanhado dos desenhos feitos pelo próprio autor. De acordo com a editora, tratava-se de uma edição definitiva, impressa em Paris. Os desenhos foram reproduzidos em edições posteriores, e os originais foram doados pela editora à Biblioteca Nacional em 1907.
Os desenhos estão na Divisão de Iconografia e podem ser vistos acessando o link da BN Digital:
Para saber mais sobre a passagem de Raul Pompeia pela Biblioteca Nacional, leia o texto do pesquisador e servidor da instituição, Iuri Lapa:

FBN | 21 de setembro – Dia da Árvore

setembro 21, 2016

No Brasil, o Dia da Árvore é comemorado em 21 de setembro, em função da véspera da primavera.

Apesar de ainda ser comemorado nos dias de hoje, o dia da árvore foi substituído pela Festa Anual das Árvores, instituída pelo decreto federal 55.795 de 24 de Fevereiro de 1965.

De acordo com o artigo 2º desse mesmo decreto, a Festa Anual das Árvores tem como objetivo “difundir ensinamentos sobre a conservação das florestas e estimular a prática de tais ensinamentos, bem como divulgar a importância das árvores no progresso da Pátria e no bem-estar dos cidadãos.”

Para lembrar a data e sua importância, a Fundação Biblioteca Nacional disponibiliza imagens de algumas árvores brasileiras retratadas em propagandas utilizadas por um laboratório farmacêutico. A coleção original, composta por 9 folhetos, cujos textos são atribuídos à Eurico Santos ( 1883), era oferecida pelo laboratório aos médicos e ao público em geral como forma de divulgação de seus produtos, e está disponível para consulta na Divisão de Iconografia da Biblioteca Nacional.

Além da coleção, para enfatizar a importância das árvores e da preservação do meio ambiente, a FBN disponibiliza para download o “Album pittoresco do Rio de Janeiro : doze vista brasileiras escolhidas” (Sec. XIX),  Schutz, Jan Frederik.

http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_iconografia/icon393040/icon393040.pdf

 

 

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

SAMSUNG CSC

 

#FBNnamidia
#bibliotecanacional
#fundacaobibliotecanacional

 

FBN I História – 12 de julho de 1901, Santos Dumont contorna a Torre Eiffel à bordo de um dirigível

julho 12, 2016
SAMSUNG CSC

Acervo Biblioteca Nacional

 

O feito foi relatado na Revista da Semana na edição de 27 de maio de 1916:

“Foi em 12 de julho de 1901 que, depois de uma série laboriosa de experiências, Santos Dumont deu a volta á Torre Eiffel num dirigível de sua invenção. O acontecimento memorável não foi, porem, reconhecido como uma solução terminante da dirigibilidade dos balões. Santos Dumont não se satisfazia em ter realisado um prodigio de acrobacia aéria. De facto, o que elle ambicionava era iniciar decisivamente a era nova da navegação nos espaços.”.

 

Leia a matéria da edição de 27 de maio de 1916 da Revista da Semana na íntegra: em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=025909_01&PagFis=24294

Acervo Biblioteca Nacional

Acervo Biblioteca Nacional

SAMSUNG CSC

Acervo Biblioteca Nacional

A Divisão de Iconografia da Biblioteca Nacional disponibiliza, para consulta, diversas imagens, gravuras e retratos relacionados à vida e à época de Santos Dumont. Para conhecer melhor a Divisão de Iconografia acesse: https://www.bn.br/explore/acervos/iconografia

 

‪#‎FBNnamidia‬
‪#‎bibliotecanacional‬
‪#‎fundacaobibliotecanacional‬

 

Convite para Tarsila

fevereiro 16, 2012

O dia 21 de abril de 1927 seria de festa para a turma da Semana de Arte Moderna de 1922. Paulo Prado, mecenas de artistas que se apresentaram no evento daria um jantar aos modernistas naquela noite. Abaixo, uma peça que pertence à Divisão de Iconografia da Biblioteca Nacional. A fac-símile do convite personalizado para Tarsila do Amaral:

No programa da noite, a apresentação de um conto por Oswald de Andrade, “traficante de pau brasil”, músicas e performances dos célebres modernistas brasileiros…