Posts Tagged ‘Paraíba’

FBN | 24 de janeiro de 1878, nasce João Pessoa

janeiro 24, 2017

jp2

Nascido na cidade de Umbuzeiro,  em 24 de janeiro de 1878, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque foi um advogado, professor e político brasileiro. Sobrinho do ex-presidente da República, Epitácio Pessoa, foi indicado pela Aliança Liberal, em 1929, como candidato à Vice–Presidência da República, em oposição ao Governo Federal, na chapa encabeçada por Getúlio Vargas e articulada pelos estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul. João Pessoa governou a Paraíba de 22 outubro 1928 a 26 de julho de 1930, dia da sua morte, sendo este episódio, até hoje, considerado como um dos fatores que desencadearam a Revolução de 1930. (fonte: http://basilio.fundaj.gov.br/ e http://paraiba.pb.gov.br/).

jp

Em homenagem ao nascimento de João Pessoa, a Fundação Biblioteca Nacional disponibiliza a edição de 7 de setembro de 1930 do Diario Carioca, que comunica a alteração do nome da capital paraibana para “João Pessoa”: http://memoria.bn.br/DocReader/093092_02/2621

FBNnamidia
#fundacaobibliotecanacional
#bibliotecanacional #história #JoaoPessoa
#1930 #EraVargas

Anúncios

FBN | Série Documentos Literários – Paraíba: um trecho manuscrito de Graciliano Ramos

janeiro 6, 2017

graca

Paraíba: um trecho manuscrito de Graciliano Ramos

A Série Documentos Literários, contribuição da Divisão de Manuscritos, apresenta algumas páginas de texto escrito para o livro “Memórias do Cárcere”, de Graciliano Ramos.

Um dos maiores autores brasileiros de todos os tempos, nascido em Quebrangulo (AL) a 27 de outubro de 1892, Ramos foi o autor de romances como “Vidas Secas”, “Angústia”, “São Bernardo”, entre outros, além de livros de contos, crônicas e infanto-juvenis. Publicou também dois livros de cunho memorialístico: “Infância” (1945), em que conta sua história familiar e pessoal até os primeiros anos da juventude, e “Memórias do Cárcere”, publicado oito meses após a morte do autor, que ocorreu a 20 de março de 1953. Nesse livro ele faz o relato do período compreendido entre março de 1936 e janeiro de 1937, quando esteve preso por conta de seu envolvimento com o Partido Comunista.

Além de descrever uma série de acontecimentos impactantes, como a entrega de Olga Benário aos oficiais de extradição, “Memórias do Cárcere” apresenta uma variedade de tipos humanos impagáveis, quer entre os presos políticos, quer entre os prisioneiros comuns. Um deles era o vigarista conhecido como “Paraíba”, que explica detalhadamente o “golpe da velha doente” aplicado na rua a incautos.

Um manuscrito contendo uma versão inicial desse trecho do livro foi doado à Biblioteca Nacional por Clara Ramos, filha de Graciliano, em 1992. Traz correções feitas pelo autor – de quem se diz ter sido exageradamente crítico com seu próprio trabalho, fazendo alterações até alguns momentos antes que um livro entrasse no prelo – e é datado de 11 de junho de 1949. O original se encontra na Divisão de Manuscritos e pode ser consultado através da BN Digital pelo link

http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_manuscritos/mss_I_07_13_007A/mss_I_07_13_007A.pdf

#FBNnamidia
#fundacaobibliotecanacional
#bibliotecanacional

 

FBN | 26 de julho de 1930, morre João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque

julho 26, 2016
"A Razão" . Fortaleza, 27 de julho de 1930.

“A Razão” . Fortaleza, 27 de julho de 1930.

Nascido na cidade de Umbuzeiro,  em 24 de janeiro de 1878, João Pessoa Cavalcanti de Albuquerque foi um advogado, professor e político brasileiro. Sobrinho do ex-presidente da República, Epitácio Pessoa, foi indicado pela Aliança Liberal, em 1929, como candidato à Vice–Presidência da República, em oposição ao Governo Federal, na chapa encabeçada por Getúlio Vargas e articulada pelos estados de Minas Gerais e Rio Grande do Sul. João Pessoa governou a Paraíba de 22 outubro 1928 a 26 de julho de 1930, dia da sua morte, sendo este episódio, até hoje, considerado como um dos fatores que desencadearam a Revolução de 1930. (fonte: http://basilio.fundaj.gov.br/ e http://paraiba.pb.gov.br/).

O jornal cearense “A Razão”, em sua edição do dia 27 de julho de 1930, traz, em sua primeira página, a seguinte manchete:

“Consummou-se o maior crime politico da historia republicana

O presidente João Pessôa foi covadermente assassinado”

Para ler a reportagem completa, acesse: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=764450&PagFis=3099. Outras informações sobre a vida e o legado de João Pessoa, como também sobre o Brasil de sua época, podem ser encontradas em nossa Hemeroteca Digital, através do link http://bndigital.bn.br/hemeroteca-digital/

‪#‎FBNnamidia‬
‪#‎bibliotecanacional‬
‪#‎fundacaobibliotecanacional‬