Posts Tagged ‘Romantismo’

FBN | 25 de abril de 1852: morre Álvares de Azevedo

abril 25, 2017

Álvares de Azevedo (Manuel Antônio Álvares de Azevedo), poeta, contista e ensaísta, nasceu em São Paulo, a 12 de setembro de 1831, e faleceu o Rio de Janeiro, RJ, em 25 de abril de 1852. Patrono da Cadeira n. 2 da Academia Brasileira de Letras, por escolha de Coelho Neto. Era filho do então estudante de Direito Inácio Manuel Álvares de Azevedo, oriundo de Itaboraí, e de Maria Luísa Mota Azevedo, ambos de famílias ilustres. Segundo afirmação de seus biógrafos, teria nascido na sala da biblioteca da Faculdade de Direito de São Paulo; averiguou-se, porém, ter sido na casa do avô materno, Severo Mota. Em 1833, em companhia dos pais, mudou-se para o Rio de Janeiro e, em 1840, ingressou no Colégio Stoll, onde se revelou excelente aluno. Em 1844, retornou a São Paulo em companhia de seu tio. Regressa, novamente ao Rio de Janeiro no ano seguinte, entrando para o internato do Colégio Pedro II. (Fonte: ABL).

Em homenagem ao aniversário de morte do autor, a Biblioteca Nacional compartilha, para consulta e download, o livro “Noite na Taverna”, de Alvares de Azevedo. A obra, organizada em sete partes, é centrada na figura de 5 personagens: Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann, que narram, em uma taverna, suas histórias inconsequentes e sombrias.

Para acessar o livro, clique em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/noitenataverna.pdf

Para saber mais sobre Alvares de Azevedo, pesquise em: http://bndigital.bn.br/acervodigital

#FBN #BN #ÁlvaresdeAzevedo #BibliotecaNacional #FundaçãoBibliotecaNacional

Anúncios

FBN | 12 de dezembro de 1877 – morre José de Alencar

dezembro 12, 2016

jose-de-alencar

 

No dia 12 de dezembro de 1877 faleceu José de Alencar, um dos mais conhecidos escritores brasileiros do século XIX, considerado como fundador do romance de temática nacional.

Nascido a 1 de maio de 1829 em Messejana (CE), Alencar era filho ilegítimo do padre José Martiniano Pereira de Alencar, que mais tarde se tornaria senador. Formou-se em Direito e, desde cedo, começou a colaborar com jornais como O Diário do Rio de Janeiro e O Correio Mercantil, no qual, em 1854, estreou como folhetinista. Seus primeiros romances – Cinco Minutos (1856), A Viuvinha (1857) e o Guarani (1857) foram publicados primeiramente em jornais, como era comum na época.

 

marquez

 

O Guarani foi o livro que concedeu notoriedade a José de Alencar. Ele escreveria mais dois com temática indigenista: Iracema (1865) e Ubirajara (1874). Também produziu outros com temática urbana, como Senhora (1875), regionalista (O Gaúcho, 1870; O Sertanejo, 1875) e histórica (As Minas de Prata, 1865-66; Guerra dos Mascates, 1873). Além disso, escreveu peças teatrais. A par da carreira literária, teve também atuação política, sempre ligado ao Partido Conservador.

Ao contrário de Machado de Assis, cuja obra resistiu à ação do tempo devido à sua aguda observação da natureza humana e crítica de costumes, José de Alencar é considerado por alguns estudiosos um autor datado. Seus livros, entretanto, crescem em valor por terem procurado representar o Brasil em seus diversos aspectos e valorizar, ainda que romanticamente, a figura do índio e do homem comum, habitante de regiões distantes da capital.

 

joseph

 

A BN Digital disponibiliza o Catálogo da Exposição Comemorativa do Centenário da Morte de José de Alencar, que teve lugar em 1977 na Biblioteca Nacional. E nós fazemos duas perguntas: você já leu um romance de Alencar? Qual é o seu favorito?

Acesse o catálogo da exposição em: http://bit.ly/2hlOZHo

Acesse, também, o livro “Marquez de Caxias”, escrito pelo autor: http://bit.ly/2hEZCUJ
Pesquise sobre José de Alencar na BNDigital através do link bndigital.bn.br/acervodigital/

#bibliotecanacional
#fundacaobibliotecanacional
#fbnnamidia

 

FBN | Semana Nacional do Livro e da Biblioteca – Iracema, de José de Alencar

outubro 28, 2016

icon530902

Para encerrar a série de homenagens dedicadas à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, a Biblioteca Nacional compartilha, para consulta e download, o livro “Iracema”, de José de Alencar. Na história, Iracema, a ‘virgem dos lábios de mel’, consagrada a Tupã, apaixona-se por Martim, um homem branco, inimigo do seu povo.  Apesar dos obstáculos, a índia deixa sua tribo e passa a viver como esposa de Martim, que logo sente saudades de sua terra, fazendo Iracema sofrer por conta de seus sentimentos.

Prezados leitores: de acordo com alguns teóricos, o filho de Iracema e Martim, Moacir, é símbolo da nacionalidade brasileira. Vocês concordam? Por quê?

Mais informações sobre José de Alencar podem ser acessadas em: http://bndigital.bn.br/acervodigital

‪#‎bibliotecanacional‬
‪#‎FBNnamidia‬
‪#‎fundacaobibliotecanacional‬

Semana Nacional do Livro e da Biblioteca – Noite na Taverna, de Alvares de Azevedo

outubro 27, 2016

noite-na-tav

 

Em homenagem à Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, a Biblioteca Nacional compartilha, para consulta e download, o livro “Noite na Taverna”, de Alvares de Azevedo. A obra, organizada em sete partes, é centrada na figura de 5 personagens: Solfieri, Bertram, Gennaro, Claudius Hermann e Johann, que narram, em uma taverna, suas histórias inconsequentes e sombrias.

Para acessar o livro, clique em: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/livros_eletronicos/noitenataverna.pdf

E você, prezado leitor? Qual é sua história de terror preferida?

Para saber mais sobre Alvares de Azevedo, pesquise em: http://bndigital.bn.br/acervodigital

#FBNnamidia
#bibliotecanacional
#fundacaobibliotecanacional

FBN | Homenagem – 10 de agosto de 1823, nasce Gonçalves Dias.

agosto 10, 2016
Gonçalves Dias. Acervo FBN.

Gonçalves Dias.
Acervo FBN.

Nascido em 10 de agosto de 1823, na cidade de Caxias, Maranhão, Antônio Gonçalves Dias foi um poeta, professor, crítico de história e etnólogo brasileiro. Em 1838, Gonçalves Dias embarcou para Portugal para prosseguir com os estudos, iniciados no Brasil com o Prof. Ricardo Leão Sabino, quando lhe faleceu o pai. Com a ajuda da madrasta, pôde viajar e matricular-se no curso de Direito em Coimbra, cidade na qual ligou-se a poetas que Fidelino de Figueiredo chamou de “medievalistas”. Em 1843, escreveu a “Canção do exílio”, uma das mais conhecidas poesias da língua portuguesa (Fonte: ABL).

A Biblioteca Nacional presta homenagem a Gonçalves Dias divulgando, para consulta e download, o poema “Se te amo não sei”, disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_manuscritos/mss_I06_03_025.pdf

Diversos outros documentos, entre manuscritos e livros digitalizados, podem ser encontrados em nossa BNDigital, no endereço: http://bndigital.bn.br/

Canção do Exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar –sozinho, à noite–
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que disfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Gonçalves Dias, “Primeiros cantos” (1847).

‪#‎FBNnamidia‬
‪#‎bibliotecanacional‬
‪#‎fundacaobibliotecanacional‬